segunda-feira, 12 de abril de 2010

F0rum Mundial Urbano

Foi realizado no cais do porto de Rio de Janeiro, nos dias 22 ao 26 de março, o Forum urbano.Para tratar dos desafios das cidades, com a mudança climatica, a necessidade de uma cidade mais sustentavél, os problemas da agua, violencia, crescimento desordenado, e o grande vilão os Mega Eventos, que acaban com as cidades trazendo um sonho que nunca se realiza o lucro.
Com uma participação de mais o menos 20.000 pessoas de todas as rasas e etnias, muita coisa foi apressentada e falada, o evento foi feito pela UNA-HABITAT orgão da ONU.
Tambem a uns trezentos metros em outro local, tinha o Forum paralelo dos pobres ,com marcada prescença de ongs de todo Brasil,muito intressante e pouco visitada pelos repressentantes dos paises ricos. Uma das questões marcantes foi o lançamento da campanha contra a limpeza etnica que já matou 5.000 jovens negros, cada vez mais jovens na faixa etaria de15 aos 18 anos, muitos depoimentos de familiares foram escutados, as entidades aderiram na campanha.A Somunear se fez presente e trouxe alguns materiais para quem quiser maior informação sobre os temas fone para contato 98844890-Elena.
Urbanismo sustentavel,carta do RIO deJANEIRO, campanha etnica,Direitos Humanos , e outros estão a disposição.

Programa de diagnostico de educação ambiental da Bacia d Campos

No dia oito de Abril, foi realizada a primeira reunião do PEA-BC, feita pela Abaete e a Petrobras.sendo uma exigencia da Ibama para o licençamento das atividades da petrobrás. assistiram a reunião 36 lideranças comunitarias, para fazer o diagnostico do impacto socio ambiental no municipio.
foram escolidos os bairros de José Gonçalves e Rasa como os mais impactados, por causa da especulação imobiliaria, que levo aos buzianos para estes bairros e tambem aos emigrantes de outros estados, produzindo um adensamento desordenado falto de qualquer estrutura.
no prximo dia 6 de maio, será feita a oficina, para mapear estes bairros, nosso blog, ficou a disposição para servir de rede a todas as entidades interessadas.Esperamos que estes trabalhos tragam uma melhora na vida destas comunidades.Somunear.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento



Matéria postada no site do Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente que fala sobre a promoção da sustentabilidade em ações de saneamento

Oficina de Educação Ambiental e Agricultura Familiar



Aqui, algumas informações sobre o tema Agricultura Familiar, o site fonte é do Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente

Comunicação e Educação Ambiental no SNUC



Discussão sobre a Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC

quarta-feira, 10 de março de 2010

Reunião





Participantes: Bruno Emanuel S Fernandes, Marco Aurélio Moreira (Tutores da Agenda 21 Escolar - UERJ/CECIERJ), Kátia Cannappele (Professora de Química e Dirigente para Agenda 21 Escolar), Angelucci Alves (Diretora Adjunta), Kao (Secretaria Municipal de Meio-ambiente), Maria Elena (Conselheira para Agenda 21 Escolar), Bruna (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), Luiz Lemos (aluno do curso Técnico em Turismo e Conselheiro para Agenda 21 Escolar), Liliane Maia (Coordenadora Pedagógica), Sílvio de Paula (Técnico em Informática e Conselheiro para Agenda 21 Escolar), Armando Mattos (Projeto Concreto e BABe) e Cristina Maia Costa (Secretaria Estadual de Cultura)

Aos 03 de março de 2010, às 11h30min, foi realizada 7ª. Reunião da 'Agenda 21 Escolar – Formando Elos de Cidadania', no Colégio Estadual João de Oliveira Botas, situado no município de Armação dos Búzios. A reunião foi aberta pela Professora Katia fazendo apresentação das pessoas presentes; logo a seguir, passou a palavra para os Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Bruno e Marco Aurélio, coordenadores do curso de Acompanhamento da Agenda 21 Escolar, que relataram a falta de comunicação entre as Secretarias Municipais de Educação e de Meio Ambiente, e afirmaram que tal problema é comum a todos os municípios, mas que vem sendo amenizado por intermédio da UERJ que se propõe a interligar tais secretarias através do projeto de Educação Ambiental. Entretanto, Bruna, representante da Secretaria de Meio Ambiente e Pesca de Búzios, afirmou não ter sido informada em nenhum momento por parte da Secretaria de Educação sobre a existência do Curso da Agenda 21 Escolar destinado às instituições municipais, onde quatro cursistas por unidade poderão se inscrever no curso com certificação de 120h/s aula , idealizado e realizado em parceria com as seguintes instituições estaduais: Secretaria de Ciências e Tecnologia, Secretaria de Educação, Secretaria de Meio Ambiente e Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Liliane, Coordenadora do colégio, e Bruna ficaram encarregadas de contactar a Secretaria de Educação para maiores esclarecimentos sobre o ocorrido, e pedir autorização da mesma para propagar nos meios de comunicação a disposição de vagas para o curso. Sílvio, responsável pelo setor de informática da escola e cursista, comentou a falta de contato e interesse da Secretaria Estadual de Meio Ambiente em relação a implantação do Agenda 21 Escolar. Após a chegada do Armando Mattos, artista plástico da cidade, às 12h30min e conseguinte reapresentação do grupo pela Katia a reunião prosseguiu com a Liliane trazendo a tona o tema “coleta seletiva no colégio” e suas problemáticas: a falta de um depósito adequado e a escolha de um catador definitivo que colete todos os materiais e não se limite a apenas metal ou papel, e que o mesmo venha com regularidade, evitando o acúmulo dos resíduos nas dependências do colégio. Bruna explanou a realidade de Búzios que se diferencia de outros municípios por não possuir tantos catadores, que estes não são permanentes e não estão associados. Bruno explica o procedimento ideal onde se elimina o atravessador, mas Bruna rebate ao afirmar que por ser uma cidade distante de usinas de reciclagem, estas inexistentes na Região dos Lagos, a logística do processo de reciclagem infelizmente necessita dos atravessadores, que são dois empresários (Beto e Ivan). Elena, parceira e cursista, sugeriu que Dona Erli seja a catadora escolhida por residir nas proximidades do colégio, mas não se chegou a nenhuma conclusão sobre quem entrará em contato com ela ou quando isto será feito. Em seguida ela comentou sobre sua viagem futura a Volta Redonda para coletar informações sobre as práticas realizadas por lá. Armando comentou sobre a captação de recursos do FECAM, mas obteve negativa de Bruno sobre o repasse direto às escolas. Marco Aurélio comentou o sucesso de experiências anteriores de pequenos e grandes projetos no estado. Às 13h Cris, representante da Secretaria Estadual de Cultura e parceira, chegou a reunião e Liliane deixou a mesma. Kao, o outro representante da Secretaria de Meio Ambiente e Pesca de Búzios, falou com Ivan que se prontificou a destinar um catador para o colégio. Luiz, aluno do colégio e cursista, explanou sobre a recepção positiva dos empresários locais sobre a proposta de redução no consumo de sacolas plástica, decidiu-se que o Mercado Alves será o ponto de partida na implantação do projeto por já haver uma predisposição dos mesmos. Marco Aurélio citou o sucesso do Carlão de Parati e se prontificou a contactá-lo para obter dados mais precisos sobre o que foi realizado por lá, em seguida estes dados serão enviados para os cursistas. Cris relatou a necessidade de se perceber os materiais, seus destinos, possibilidades e que a mudança comportamental deve ser a priori interna. Armando explanou seu projeto artístico, e afirmou que a arte é um processo político, o artista um ativista e que sua arte deve atingir as pessoas com o intuito de modificá-las, para isso pretende, em parceria com a FAPECS, dar continuidade a Bienal de 2009 e atrair as pessoa para as questões da cidade com projetos que serão, provavelmente, tecnológicos, pois ainda não está definido que ação será tomada. Existe a possibilidade de trazer para a cidade artistas renomados, tal qual Victor Muniz, que já trabalha com resíduos sólidos. Marco Aurélio fez convite a Bruna e Kao para comparecerem a apresentação oficial do projeto que será na UERJ no dia 15 de março. Será feito um convite formal por email, onde Kátia lhes passará os referentes contatos. Às 13h30min Katia encerrou a reunião e convidou os visitantes para um passeio pelo colégio e mostrar o que está sendo realizado pela comunidade.


quarta-feira, 3 de março de 2010

CEJOB EM AÇÃO


COLÉGIO ESTADUAL JOÃO DE OLIVEIRA BOTAS – CEJOB
    AGENDA 21 ESCOLAR: CEJOB EM AÇÃO




CRÉDITOS


Equipe de Direção:
Diretora: Matilde Maria Correia Neta Goulart,
Diretora Adjunta: Angelucci Alves de Souza,
Coordenadora Pedagógica: Liliane Maia,
Cursistas: Katia Maria Maia Soares Caneppele, Luiz Lemos de Melo Neto, Maria Elena Olivares Ollesca, Silvio de Paula e Silva Filho,
Membros do Elo 21: Cristina Maia Costa,  Marcela da Silva Manhães, Rômulo de Sousa Mendonça, Karen Moreira de Sousa
Parceiros:  Maria Bacellar, Projeto Somunear, Elias Miranda Machado, Projeto Óleo Bom, Associação do Meio Ambiente, Bruna Duarte, Gislaine Barros (gil), Ivan Ferreira Vasconcelos




1. CONTEXTUALIZAÇÃO

O COLÉGIO ESTADUAL JOÃO DE OLIVEIRA BOTAS localizado na Rua José Bento Ribeiro Dantas 1200, bairro Praia Armação, cidade de Armação dos Búzios/ RJ, foi fundado em 20/06/1952. Inicialmente com Ensino Fundamental até 9º ano e a partir de 2002 com o Ensino Médio. Atualmente o colégio possui um total de 1000 alunos dos cursos de Ensino Regular Médio, Ensino de Jovens e Adultos – EJA, Fase I, Fase II e Fase II, e Técnico em Turismo. Funciona com o Ensino Regular apenas no primeiro turno, EJA no segundo e terceiro turno e Técnico em Turismo apenas no terceiro turno.
O colégio possui um total de 32 profissionais, entre professores e apoio.
Está localizado na Orla Bardot, onde se encontra uma das mais belas paisagens, e conta com uma diversidade marinha enorme, tendo inclusive um dos mais belos e raros ecossistemas de corais.  Em frente encontramos a Praia da Armação e o Píer dos Pescadores, onde são desembarcados todos os pescados vindo das embarcações.
Na época dos transatlânticos, entre os meses de outubro e abril, cerca de 120 navios de turismo atracam na região da orla.
No entorno do colégio há muitos bares, restaurantes e pousadas devido ao número expressivo de turistas que visitam a cidade.
Nas ruas ao redor há também uma grande quantidade de moradores, sendo em sua maioria de nativos.

 

 
2. MOBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE

O processo de mobilização da comunidade foi desenvolvido de uma forma tranqüila e muito prazerosa, pois a comunidade já se mostrava interessada nos problemas socioambientais
A equipe de trabalho se formou com os três cursistas iniciais. Estes foram divulgando o projeto verbalmente em todas as salas de aula e dependências da escola, convidando os alunos, funcionários e professores. A partir daí os alunos divulgaram para a comunidade vizinha e em suas residências. Foi marcada a primeira reunião de criação da Elo 21.                                                                    
                             

As reuniões seguintes foram divulgadas por meio  de folhetos impressos, colocados nas várias dependências do colégio e no jornal da cidade “Jornal Primeira Hora”.       Compareceram vários alunos, alguns professores e funcionários e todos se sentiram motivados em organizar o Grêmio do colégio e a confecção do Jornal Mural. Foi marcada a data para o início do processo de eleição para os representantes do Grêmio e do nome do Jornal Mural. A eleição foi realizada com uma expressiva participação da comunidade escolar. Todos estiveram muito envolvidos e colaborando com todo o processo. O nome do Jornal Mural e do Grêmio escolhido foi: “CEJOB EM AÇÃO"

3. ELO 21 CEJOB EM AÇÃO
.           O nome CEJOB EM AÇÃO foi escolhido por ter sido o mesmo nome selecionado para o Jornal Mural. Este representa a vontade de  toda a comunidade em participar ativamente na elaboração da Agenda 21 Escolar e em todas as ações socioambientais.
            A equipe do Elo 21 é formada por: Matilde Maria Correia Neta Goulart, Angelucci Alves de Souza, Katia Maria Maia Soares Caneppele, Maria Elena Olivares Ollesca, Marcela da Silva Manhães, Liliane Maia, Silvio de Paula e Silva Filho, Rômulo de Sousa Mendonça, Karen Moreira de Sousa, 
Luiz Lemos de Melo Neto, Maria Bacellar, Projeto Somunear, Elias Miranda Machado, Projeto Óleo Bom, Associação do Meio Ambiente, Bruna Duarte, Gislaine Barros (gil), Ivan Ferreira Vasconcelos.
            As reuniões foram realizadas nos dias 22/05/2009 as 11h30min, 26/06/2009 as 11h30min, 04/09/2009 as 11hs, 25/09/2009 as 11hs, 14/10/2009 as 10hs e 23/10/2009 as 12hs.
            O Elo 21 organizou todo o processo de eleição do Grêmio, do nome do Jornal Mural, do layout do Jornal da divulgação do projeto para a comunidade da Agenda 21, além da cobrança de material para a confecção do Jornal Mural, do material de divulgação das reuniões e do material fotográfico junto à direção do colégio. Participou da divulgação das reuniões para os diversos setores da sociedade de Búzios, como: o Poder Público, Associações de Moradores, comunidade escolar, pais e responsáveis e jornal local Primeira Hora. Organizou palestras para a comunidade escolar com o objetivo de esclarecer o que é a Agenda 21 Escolar, sua importância e objetivos. Incentivou os alunos na formação de um blog na Internet, (http://cejobemacao.zip.net). Organizou e acompanhou os alunos na caminhada fotográfica nos bairros adjacentes a escola e na coleta de micro lixo na Praia da Azeda. Divulgou a coleta de pilhas, baterias, caixas tetra pak e óleo usado. Incentivou e deu apoio aos alunos na fabricação de sabão a partir do óleo usado.

 
4. DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL

            O diagnóstico socioambiental foi realizado com ênfase no espaço físico e social da aprendizagem, com um levantamento dos diferentes aspectos da vida escolar de forma que foram identificados os problemas, sua origem e localização, por meio de diversas técnicas como: Método do visionamento; Histórias locais; Pesquisa de dados em órgãos públicos; Entrevistas; Questionários e reuniões de trabalho com a comunidade escolar.
            A primeira técnica utilizada foi a do visionamento. Foi realizada por duas professoras num período de uma semana, onde elas pediam aos alunos que fechassem os olhos e imaginassem como seria a escola dali a dez anos. Depois de alguns minutos de visionamento cada aluno descreveu a sua visão. O que viu no futuro? Esta técnica não só permitiu identificar os problemas, mas também reuniu “visões sobre o futuro” da escola e formas de ultrapassar esses problemas para atingir a visão. Essa abordagem produziu mais informações sobre as percepções, preocupações e caminhos que podem ser percorridos.
            As histórias locais foram oralmente transmitidas por pescadores moradores do entorno da escola e por funcionários nativos do bairro, por um período de três dias.
A pesquisa de dados foi feita pelos alunos na Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Eles tiveram acesso aos mapas e entrevistaram funcionários, recolhendo todas as informações sobre os ecossistemas da cidade e seus problemas, por um período de sete dias.
Os alunos entrevistaram os vizinhos das suas residências em vários bairros e no entorno da escola, onde perguntavam se eles sabiam o que é Agenda 21? Quais os problemas do bairro onde residiam? Quem eles responsabilizavam por estes problemas? E quais as possíveis soluções para esses problemas? O período das entrevistas realizado foi de três semanas.
Foi feita uma caminhada fotográfica pelo entorno da escola com 42 alunos, uma professora e uma funcionária onde foram observados e fotografados vários problemas socioambientais, principalmente relacionados ao descarte de lixo no bairro do entorno da escola e esgoto lançado no mar. A caminhada foi feita num período de uma hora.
Foram aplicados vários questionários aos alunos, na tentativa de se diagnosticar a forma como eles se relacionavam com as outras pessoas e com o meio envolvente, pois os alunos aprendem muito através da observação, das suas vivências na sala de aula e na comunidade escolar em geral.
Dois aspectos distintos como: o ambiente social e o impacto ambiental da escola foram analisados.
O ambiente social da escola influencia bastante o desenvolvimento dos valores, atividades e comportamentos dos alunos, pois a qualidade das relações entre as várias pessoas da escola e o respeito pelas diferentes opiniões, crenças e valores, proporcionam uma agradável atmosfera de aprendizagem para os alunos e professores.

O impacto ambiental provocado pela escola engloba: os aspectos físicos e funcionais da escola (como os espaços exteriores e a gestão de recursos), e as relações entre o estabelecimento de ensino e o meio exterior.
Em relação ao diagnóstico sobre o impacto ambiental que a escola pode provocar, as análises feitas tinham como prioridade: resíduos, água, energia, transportes, ruído, espaços exteriores, biodiversidade, alimentação, compras e política de gestão ambiental da escola.
O período de realização dos questionários foi de quatro semanas.
DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL
PROBLEMA
Nível de Gravidade
Observação
Alto
Médio
Baixo
Falta de coleta seletiva de resíduos sólidos
X


Estão sendo realizados desde julho de 2007 a coleta de pilhas e baterias e desde maio de 2009 coleta de óleo usado doméstico e caixas tetra pak.
Existência de muito lixo no chão nos espaços comuns

X

A quantidade de lixo jogada no chão, não é excessiva.
Excesso de lixo orgânico descartado no lixo comum
X


O lixo orgânico produzido pela cozinha da escola, não está sendo reaproveitado.
Desperdício de papel
X


Há um excesso de consumo de papel, sem o devido descarte.
Falta de política de poupança de energia

X

Apesar do consumo não ser alto, as salas de aula têm fraca iluminação natural.
Poluição visual


X
Causada pela pichação nas paredes e carteiras
Falta da participação dos alunos nas tomadas de decisões


X
Os alunos se sentiriam mais responsáveis, podendo opinar nas questões escolares.
Ruído excessivo


X
Não existe na escola, uma forma explícita de se conseguir o silêncio dentro dos prédios.
Falta de obediência e disciplina dos alunos

X

Há uma crescente desobediência e indisciplina dos alunos em sala de aula.
Falta de cobrança as regras determinadas pela escola
X


Os próprios alunos exigem mais cobranças as regras escolares, pois o colégio não tem pessoal de apoio suficiente e capacitado para o funcionamento adequado.
Necessidade de aulas de expressões artísticas


X
Os alunos reinvidicam aulas de dança e expressão corporal.
POTENCIALIDADE
Nível de Potencialidade
Observação
Alto
Médio
Baixo
Grande variedade de árvores e plantas

X

Os espaços verdes não são amplos, mas são de uma grande diversidade
Biblioteca com um acervo grande e diversificado

X

Falta uma melhor estrutura na biblioteca
Salas de informática e multimídia
X


Apesar da estrutura física ser bem preparada, a humana está com falta de pessoal
Alta qualidade dos professores
X


A maioria dos professores é altamente qualificada.




 
5. ESTABELECENDO PRIORIDADES E METAS

            Após ter sido realizado o diagnóstico participativo, os aspectos nos quais se pretende intervir foram estabelecidos a partir de reuniões com a equipe da ELO 21, e outros participantes de vários setores da comunidade escolar, amigos da escola, representante da Secretaria Municipal de Meio Ambiente , representantes de associações civis e voluntários que trabalham com coleta seletiva de resíduos. 
            Foram identificados os aspectos problemáticos daqueles que não o são, e enumerados os problemas juntamente com os dados relativos, hierarquizando os problemas mais urgentes e os que serão mais facilmente solucionáveis.
O problema identificado como prioridade, foi a falta de coleta seletiva de resíduos sólidos. Assim como na escola não há coleta seletiva de todo o seu resíduo sólido, pois apenas são separados, pilhas, baterias e caixas de embalagem tetra pak, no bairro do entorno e em toda a cidade também não há.
 Foi diagnosticado que é do interesse da comunidade do colégio e dos bairros próximos o  inicio emergencial, pois o verão está muito próximo e a cidade triplica em quantidade de pessoas, devido ser uma cidade turística de beleza extraordinária. O colégio se situa em uma praia onde a quantidade de turistas que transitam é imensa, pois os vários transatlânticos que ancoram na cidade desembarcam seus passageiros nas proximidades do colégio.
Iniciando-se com a máxima urgência este processo, consequentemente o bairro do entorno também irá iniciar, pois o colégio se tornará um ponto de entrega voluntária de resíduos recicláveis das imediações.
O segundo problema prioritário foi o excesso de lixo no chão, que terá sua redução ou até mesmo sua extinção, a partir do momento que a comunidade escolar descartar o lixo no lugar correto.
O terceiro problema é o excesso de resíduos orgânicos descartados no lixo comum pelas pessoas encarregadas da merenda escolar. Nesse caso será feita uma horta comunitária, onde todo o resíduo orgânico próprio para compostagem será utilizado como adubo.
O quarto problema é o excesso de papel descartado pela comunidade escolar. Será feito um trabalho de reciclagem e reaproveitamento de papel.
O quinto problema é o excesso de consumo de energia. Será feito um trabalho de sensibilização com a comunidade escolar para economia de energia com o título: “O último a sair apaga a luz”.
O sexto problema é a poluição visual causada pelo excesso de pichação nas paredes da escola. Será feito um trabalho com os alunos na pintura das paredes com a técnica de grafite.
A potencialidade identificada como prioridade é a área verde da escola. Cada turma irá cuidar de determinadas espécies de árvores e plantas.
 


PLANEJANDO O FUTURO
Prioridade
Problema
Meta
Prazo
Possíveis
Parceiros
1
Falta de coleta seletiva de resíduos sólidos
Implementar a coleta seletiva de resíduos soídos
Novembro de 2009 até novembro de 2010
Toda a comunidade escolar, amigos da escola, associações de bairro, empresários, Secretaria de Meio Ambiente
2
Excesso de lixo no chão
Sensibilizar os alunos para o descarte do lixo no local adequado
Novembro de 2009 até novembro de 2010
Toda a comunidade  escolar, amigos da escola, associações de bairro, empresários, Secretaria de Meio Ambiente
3
Excesso de lixo orgânico descartado no lixo comum
Utilizar todo o lixo orgânico produzido na escola para a utilização na compostagem e utilização em uma horta comunitária
Outubro de 2009 até julho de 2010
Toda a comunidade  escolar, amigos da escola, associações de bairro, empresários, Secretaria de Meio Ambiente
4
Excesso de papel descartado pela comunidade escolar
Reciclar e reaproveitar todo o material reciclado
Novembro de 2009 até novembro de 2010
Toda a comunidade escolar, amigos da escola, associações de bairro
5
Excesso de consumo de energia
Diminuir o consumo de energia
Novembro de 2009 até dezembro de 2010
Toda a comunidade escolar

6
Poluição visual pelo excesso de pichação nas paredes da escola
Eliminar a pichação nas paredes da escola
Fevereiro de 2010 até  novembro de 2010
Toda a comunidade escolar, amigos da escola e empresários
Prioridade
Potencialidade
Meta
Prazo
Possíveis
Parceiros
1
Grande variedade de árvores e plantas
Proteger e conservar a área verde da escola
Março de 2010 até novembro de 2010
Toda a comunidade  escolar, amigos da escola, associações de bairro, empresários, Secretaria de Meio Ambiente


6.     REFERÊNCIAS

                 <http://www.mma.gov.br/sitio/index.php?ido=conteúdo.monta> Acessado em 26/07/2009
                <http://www.futurosustentavel.org/pesquisa.php?chave=agenda+21> Acessado em 15/08/2009
                 <http://www.agenda21comperj.com.br/Notícias.aspx?NotíciaID=55> Acessado em 30/08/2009




Seguidores